Treinamento de Fôlego Para Surf – 2

Para lidar melhor com o caldo, só tomando muito caldo?

Na primeira publicação desta série sobre desenvolvimento do fôlego, citamos Estélio Dantas, um dos principais pesquisadores de Ciência do Esporte no Brasil.

Dantas preconiza que “todo treinamento esportivo para ser eficiente, deve respeitar o princípio da especificidade. Ele preconiza que se deve, além de treinar o sistema energético e o cárdio-respiratório dentro dos parâmetros da prova que irá realizar, deve fazê-lo com o mesmo tipo de atividade de performance.”

Ou seja, se a “prova” consiste em nadar em arrebentações XXL e/ou tomar caldos XXL, então é necessário treinar com volumes e intensidades de sobrecargas similares as que se enfrenta durante a prova, adequando-se o treinamento dos segmentos corporais ao do sistema energético utilizado na performance.

Pode-se deduzir que para lidar melhor com o caldo, só tomando muito caldo. E que para se tornar um exímio nadador de arrebentações XXL é necessário nadar constantemente nestas arrebentações. Tendo isto em mente também reforçamos o que afirmanos na publicação anterior: a eficácia do treino de apneia estática em estado meditativo, pode ser comparada a de um placebo.

Para que ocorra a adaptação ou assimilação à estímulos, é vital que a qualidade e quantidade de sobrecargas ocorram em acordo com o período de treinamento (Gürtler 1982).

No entanto a inconstância do swell em nosso litoral, impede tenhamos suficientes oportunidades de treino para que possamos nos adaptar a estas situações/ambientes. Seja esta adaptação fisiológica, emocional ou ambiental.

Além disso as adaptações são reversíveis e precisam constantemente ser revalidadas (Israel 1983, 141). Caso contrário elas simplesmente se desfazem. Ou seja, tomar “aquele caldo” vez por outra, ou nadar em ressacas esporadicas não nos permite a aquisição do conforto cognitivo.

Este conforto só se obtém pela constante exposição aos estímulos sensoriais a que somos expostos num mar XXL, e que variam em tipo, intensidade, localização e duração e que podem ser internos ou externos.

É necessária a aproximação do treinamento aos mesmos parâmetros de sobrecargas impostas por uma mar XXL e que isto seja feito de forma funcional, repetindo a biomecânica dos gestos esportivos realizados durante o caldo.

Como fazer isto?

O Treinamento LeblonFins de Aquacidade Extrema demanda a realização diária de rotinas funcionais com sobrecargas dosáveis que simulam o ambiente de performance e respeitam os ciclos de treinamento.

Inexistindo no mundo inteiro, opções eficientes de preparação física, técnica. tática e psicológica para lidar com arrebentações XXL, sem qualquer suporte além de nossa própria competência e habilidade, a equipe LeblonFins de Aquacidade Extrema desenvolveu tanto soluções próprias para lidar com esta demanda, como também nossos próprios equipamentos de treino.

Abaixo listamos alguns dos mais usados

  • Simulador de arrebentação com fluxo de água, frequencia e altura de ondulação controladas, que impõe fortíssimas sobrecargas fisiológicas e emocionais.
  • Simulador de wipeout, onde o atleta não tem controle do momento ou altura da queda, que ocorre com diferentes trajetorias e velocidades e tem diferentes momentos e forças de impacto. Caindo de alturas de 0 a 10 metros.
  • Simulador de caldo com profundidades de até 06 metros que também impõe fortíssimas sobrecargas fisiológicas e emocionais.
  • Body Streamliner de superfície aparelho para o exercício da posição hidrodinâmica de deslize com sobrecargas em segmentos e conjuntos de segmentos musculares envolvidos na sustentação desta posição e do movimento ondulatório do finswimming.
  • Body Streamliner subaquático, faz o mesmo que o de suoperfície, mas embaixo da água.
  • Streamliner diafragmático para o exercício da posição hidrodinâmica de deslize com sobrecargas constantes no diafragma e em segmentos e conjuntos de segmentos musculares envolvidos na sustentação desta posição e do movimento ondulatório do finswimming.
  • Dragger equipamento que cria enorme arrasto frontal durante o nado ondulatório do finsewimming , seja na superfície e submersos.
  • Máscara de desorientação com indução de hipoxia à apneia e oclusão da visão.
  • Máscara de Hipóxia para treinamento com excesso de CO2
  • Slider para o exercício de sobrecargas constantes no quadrado dorsal e abdominal na posição hidrodinâmica de deslize.

Continua…

Deixe um comentário

× WhatsApp